segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

LITERATURA JOANINA

O Evangelho de João
A comunidade do Discípulo amado

1ª aula
Introdução:

O plano que estrutura o evangelho de João é teológico. Não se trata de biografia de Jesus, como também não se trata sequer de resumo de sua vida, e sim de interpretação de sua pessoa e obra, feita por uma comunidade através de sua experiência de fé. Daí que o leitor terá que interpretar os fatos que encontra no texto, cuja historicidade não se pré-julga, atendo-se à finalidade do evangelho, como linguagem teológica. A coerência de João não se buscará, portanto, na exatidão histórica, e sim na unidade temática, em relação com seu plano teológico.

Este Evangelho pode ser resumido em seu prólogo. 1,1-18, onde o original é em grego. O prólogo resume a realização do Projeto criador de Deus, ou seja, desde o inicio da criação, a Palavra está viva e atuante no Universo, mas é em Jesus Cristo que essa Palavra assume uma presença toda especial.

O Evangelho de João, as cartas e o Apocalipse não foram escritos pela mesma pessoa, mas provavelmente todos participaram da mesma escola Joanina.

O Evangelho de João não foi fácil de entrar no cânon da Igreja, porque era muito usado pelos gnosticos, que tinham uma visão muito diferente da nossa hoje, e passaram a ser chamados de hereges.

O que diferencia a comunidade de João das outras comunidades é que nela não há uma autoridade constituída (ex. Bispos – Diáconos – diaconisas – povo).

O evangelho de João é uma herança de uma comunidade em que o amor era o valor absoluto, capaz de tornar todos iguais. (Bagunça) - Ágape

Desta comunidade só nos sobrou hoje:
Um evangelho  -  3 cartas  -  Apocalipse.

Enquanto as outras continuam até hoje.


Fato fundante em todo Novo Testamento:

  • Morte de Jesus (desdobramento)
    1. Busca do morto (ida ao tumulo)
    2. Encontro do tumulo vazio
    3. Certeza de fé              Ressurreição (corpo glorioso)

Com esta certeza de fé os discípulos de Jesus tornam-se anunciadores da paixão – morte – ressurreição
(é de fé porque não há como provar, não é científico - não tem como demonstrar). São experiências, mas não prováveis.

Aparição = visão interior

A Aparição, até de Jesus, é sempre uma visão. Visão é coisa interior. Se alguém entra em êxtase e vê Maria, é algo dele, interno e isto também serve para o fato Jesus. Nós acreditamos que a ressurreição é mudança total. Aos moldes dos primeiros cristãos da Igreja, é chamado por Paulo de corpo Glorioso, espiritual, de Novo. Por isso fazemos alusões e fazemos congruências, imaginamos.

Maria Madalena vê alguém (gênero histórico). Esse alguém é masculino e só. Não o conhece. Pergunta se é o jardineiro (20,14-15). Se Maria o conhece pela voz – Lucas 24 e não reconhecem quem é ele = não é físico, mas uma visão. (vê o filme; “mente brilhante”)

João é incongruente; “estando às portas fechadas”... Depois, Tomé duvidou e Jesus aparece e diz: “Toque em mim” (20,26-29) = aparição, visão = algo interior.

Para onde foi o corpo não importa. A fé nos diz que ressuscitou. Glorioso? Por que diz a Tomé toque aqui na ferida? Se tem ferida não está glorioso! – Deus não quebra as suas próprias leis.

Paulo diz em 1 Coríntios 15,3 = “Cristo morreu por  nossos pecados, segundo as escrituras; foi sepultado, e ressurgiu ao terceiro dia, segundo as escrituras; depois apareceu a Cefas e depois aos doze, depois apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez, ... depois apareceu a mim como a um abortivo”.  – as escrituras que fala é o Antigo Testamento, pois ele foi o primeiro a escrever e só depois vieram os evangelhos. O morrer segundo as escrituras é certeza de fé. Sepultado, segundo as escrituras, é certeza de fé.


Tudo é certeza DE FÈ. É fé de ressurreição. Os discípulos na fé tornam-se anunciadores de uma coisa à da Paixão, morte e Ressurreição.

Qual o discípulo que estava na Paixão? – Ninguém. Na morte? Ninguém. Quem viu a ressurreição? – ninguém. Só viram o túmulo vazio. =  Ou  nossa certeza de fé é grande, ou ... nada se pode provar. Palpável só se sabe que morreu.

Estes anunciadores tinham que criar uma historia para continuar anunciando. Esta historia chama-se: boa mensagem (Evangelho)

O autor:

Quem escreveu o evangelho de João? (21,20-24) – o discípulo amado. Quem é o discípulo amado? – em nenhum lugar diz que é João. Nos evangelhos sabemos que o discípulo amado era Lázaro. ( Jo 11,1-3; 11,36) Lázaro significa aquele que Deus ajudou. Santo Irineu de Lion, (séc. II) é quem vai dezer que teria estudado com Policarpo, que fora discípulo de João, e que Policarpo teria dido que João era o discípulo amado e escrevera o evangelho. Até então não se tinha esta afirmação. E isto foi passado como sendo uma verdade, mas não temos como atestar a veracidade disto. Segundo muitos estudiosos, quando o evangelho de João foi escrito, este já havia morrido.

Para estudar João, temos que descobrir quem é o discípulo amado, e estamos ao pé da cruz.

Apêndice – João 21, 20-24 = “Este é o discípulo que dá testemunho dessas coisas e foi quem as escreveu...”
- João não conheceu nem o primeiro capítulo nem o apêndice.

Jesus ressuscitado – Pedro é o escolhido e há outro; à 21,20 = “Pedro voltando-se viu que o seguia o  discípulo que Jesus amava, aquele que, na ceia, se reclinara sobre seu peito e ...” à Este é o escritor, o que Jesus amava.

Jo 11,1-3 = “As duas irmãs mandaram dizer a Jesus; “Senhor, aquele que amas está doente...””. à LÁZARO.
Ao pé da cruz à é o discípulo amado. ( Jo 19, 25-27)



Lázaro = ( hebraico) =ELE AZAR
                                 
                                             Deus + Ajudou  //  Lázaro = todos os ajudados por Deus.
Todos os ajudados por Deus são os Lázaros, o discípulo amado.

Jo 19,25 = “Perto da cruz de Jesus, permaneciam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléopas, e Maria Madalena. Jesus, então, vendo sua mãe e, perto dela, o discípulo a quem amava, disse à sua mãe: “Mulher, eis teu filho” ... E a partir dessa hora, o discípulo a recebeu em sua casa”. = Nem a mulher recebeu nome nem o discípulo.

Mater et magistra = Igreja.

No Apocalipse, a mulher é a Igreja.
Maria também é Igreja.

(Em João, descobrir quem é o discípulo amado é pensar): Se Jesus morrer hoje, quem é o discípulo amado? A Teologia Joanina = Jesus está morrendo agora. Você está ao pé da cruz, se não estiver, está perdido. O batismo para João é estar ao pé da cruz enquanto Jesus diz: “mulher, eis aí teu filho. Filho, eis aí tua mãe” e a partir daí o discípulo a leva para casa. O evangelho é levar Maria para casa.(levar a Igreja), Jo 19,27.

Sabemos quem foi o discípulo amado = Lázaro = os ajudados por Deus, aquele que Deus ajudou. Seria Maria Madalena? Por que não?
- Nos Evangelhos, Maria Madalena é citada nominalmente muitas vezes:
·      como discípula de Jesus (Lc 8,1-3)
·      como testemunha da sua crucifixão (Mc 15,40-41; Mt 27,55-56; Lc 23,49; Jo 19,25)
·      como testemunha do seu sepultamento (Mc 15,47; Mt 27,61)
·      como testemunha da sua ressurreição (Mc 16,1-8; Mt 28,1-10; Lc 24,1- 10; Jo 20,1 ; 20,11-18).
·      como enviada aos Onze com uma mensagem de Jesus (Mt 28,10).

João se relaciona com o Gênesis. Começa com a mesma palavra do Gênesis. Ele não recria, mas mostra a outra visão. No princípio era Verbo.

Tudo acontece num único dia, João é a continuação de gênesis. Em gênesis, no sétimo dia Deus descansa (Gn 2,3) contrapõe-se a (João 5,17) Meu Pai continua trabalhando e eu também trabalho. Então o sétimo dia ainda não chegou.

O Evangelho de João não parte do nada, mas é escrito para dar uma resposta a alguém. A comunidade sabendo o como viviam as outras comunidades cristãs, escrevem o seu modo de ver a coisa.

Em João não tem Pentecostes.
Só Lucas tem Pentecostes. (Festa da páscoa e 50 dias depois; festa das Tendas).
Lucas faz Jesus ficar  entre a Morte e a Ressurreição.

Em João, já no domingo, Jesus vai embora.
- Houve aparições? – estando as portas fechadas – toca-me, Tomé. Como? – é imaterial ou não? (Jo  20,19ss)


No evangelho de João não existe milagres, mas sinais.


O prólogo
O prólogo resume a realização do Projeto criador de Deus , ou seja, desde o início da criação, a palavra está viva e atuante no Universo, mas é em Jesus Cristo que essa Palavra assume uma presença toda especial.
Podemos dividir em três partes o texto para melhor mergulhar nesse grande mistério da encarnação;

Na primeira parte em Jo 1,1-9, podemos visualizar em Jo 1,1-6 a palavra como ato gerador de vida e em Jo 1,6-9  temos os preparativos para a chegada do Messias. É o advento marcado pela missão universal de João Batista que aponta a única esperança – Jesus – e o compromisso com o projeto de promover a Vida, e Vida em abundância.
Jo 1,1-6 = 1  Antes de ser criado o mundo, aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus. 2  Desde o princípio, a Palavra estava com Deus. 3  Por meio da Palavra, Deus fez todas as coisas, e nada do que existe foi feito sem ela. 4  A Palavra era a fonte da vida, e essa vida trouxe a luz para todas as pessoas. 5  A luz brilha na escuridão, e a escuridão não conseguiu apagá-la. 6  Houve um homem chamado João, que foi enviado por Deus
João 1.6-9 =6  Houve um homem chamado João, que foi enviado por Deus 7  para falar a respeito da luz. Ele veio para que por meio dele todos pudessem ouvir a mensagem e crer nela. 8  João não era a luz, mas veio para falar a respeito da luz, 9  a luz verdadeira que veio ao mundo e ilumina todas as pessoas.

A segunda parte é a Palavra de Deus encarnada na História daqueles que nos precederam (Jo 1,10-13). Mas, apesar da fidelidade e misericórdia do nosso Deus, o povo foi infiel resistindo a esse amor.
Jo 1,10-13 = 10  A Palavra estava no mundo, e por meio dela Deus fez o mundo, mas o mundo não a conheceu. 11  Aquele que é a Palavra veio para o seu próprio país, mas o seu povo não o recebeu. 12  Porém alguns creram nele e o receberam, e a estes ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus. 13  Eles não se tornaram filhos de Deus pelos meios naturais, isto é, não nasceram como nascem os filhos de um pai humano; o próprio Deus é quem foi o Pai deles. 

 Assim ganhamos outra chance e com ela a terceira parte do Prólogo: a Palavra de Deus presente em Jesus Cristo (Jo 1,14-17). Jesus se  encarna na nossa história, nasce como menino, frágil, inserido no Império Romano, num sistema religioso em crise. Nasce para a plena realização do projeto gerado nas entranhas da Trindade.
Jo 1,14-17 = 14  A Palavra se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e de verdade. E nós vimos a revelação da sua natureza divina, natureza que ele recebeu como Filho único do Pai. 15  João disse o seguinte a respeito de Jesus: -Este é aquele de quem eu disse: "Ele vem depois de mim, mas é mais importante do que eu, pois antes de eu nascer ele já existia." 16  Porque todos nós temos sido abençoados com as riquezas do seu amor, com bênçãos e mais bênçãos. 17  A Lei foi dada por meio de Moisés, mas o amor e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo.


Provérbio 8,22-31, falando sobre a Sabedoria à de onde vem o prólogo de João.

  Pr 8, 22- 31 = 22 "O Deus Eterno me criou antes de tudo, antes das suas obras mais antigas. 23  Eu fui formada há muito tempo, no começo, antes do princípio do mundo. 24  Nasci antes dos oceanos quando ainda não havia fontes de água. 25  Nasci antes das montanhas, antes de os morros serem colocados nos seus lugares, 26  antes de Deus ter feito a terra e os seus campos ou mesmo o primeiro punhado de terra. 27  Eu estava lá quando ele colocou o céu no seu lugar e estendeu o horizonte sobre o oceano. 28  Estava lá quando ele pôs as nuvens no céu e abriu as fontes do mar, 29  e quando ordenou às águas que não subissem além do que ele havia permitido. Eu estava lá quando ele colocou os alicerces da Terra. 30  Estava ao seu lado como arquiteto e era a sua fonte diária de alegria, sempre feliz na sua presença- 31  feliz com o mundo e contente com a raça humana”.




2ª aula

O 1º sinal: Bodas de Cana

João 2,1-11 = As bodas de Cana (ler)

“a mãe lhe disse: não tem mais vinho – e eu com isso – faça tudo o que ele mandar – o mestre sala prova e diz ao noivo – por que só agora o bom vinho?”

Caná à é verbo, está no passado e usamos no imperativo = ADQUIRIR.
Casamento = no antigo Testamento significa = Aliança de Deus com a humanidade.
Quem é o Noivo? = Deus (Jesus)
Quem é a Noiva? = o povo, (representada por Maria).
Quem são os convidados? – Jesus, discípulos (ele não é o noivo? –espere)
Qual casa que tem 6 talhas, cada uma de mais ou menos 100 litros? – só um lugar. É o templo.
Água = é o símbolo da vida biológica, o que sustenta a vida.
Vinho = vida transformada
Vinho velho = vida abundante => dá para ter na terra.
Vinho novo = vida plena, (plenitude que só se dá após a morte) (e a plenitude que Jesus se dá no alto da cruz.)

No batismo é para o cristão, a primeira morte. Adquire vida nova. Somos transformados pela água em vinho. E ao passarmos pela morte, se torna vinho novo, plenitude, abundância.

Não será o batismo a festa de casamento? Não será a festa de Caná? Onde somos adquiridos por Deus?

O Mestre sala = o batizando. É ele que experimenta o vinho novo. É o discípulo amado. (para ser discípulo amado tem que ir para cana, ser adquirido)

Caná = chamar. O batizado não é o chamamento de Deus? A conversão? A mudança?
Tem que ser em Caná (chamar) e não em Belém, ou outro lugar.

Vinagre = vinho estragado => vida sem graça => ligação com cap. 2. eles não tem mais vinho porque deixaram estragar (vinagre), tudo esta consumado. (Jo 19,29)

No primeiro milagre Jesus pede água (2,7). Na cruz, pede água dizendo: Tenho sede (19,28). O que trazem? Vinagre. De que é feito? Vinho estragado. Se trazem água, ele faz vinho. (ele que deu a vida, ele é a fonte da vida em abundancia e agora quer água, tem sede. Dão-lhe vinho estragado. Vinho é vida transformada, vinho novo é plenitude). Vinho estragado é... morte, deterioração, vida “sem graça”. O que Jesus pode fazer? – nada. “Tudo está consumado”. (19,30)

No primeiro milagre, pede água, manifesta sua glória e seus discípulos; “creram nele”. Agora, diz tenho sede e lhe dão vinagre. Não tem jeito; tudo está consumado.

No primeiro caso, Maria diz; “eles não têm MAIS vinho”. Se Maria é a noiva e representa o povo, o que Maria lhe diz na cruz? – Não tem Mais vinho. Deixaram estragar tudo. E  não tem mais as talhas de cem litros. Apenas um baldinho com vinho azedo, estragado; vinagre; molham uma esponja e lhe dão; tudo está consumado! (19,29).

Jesus convidado casamento => primícia dos que morreram.  O casamento quem faz é o Pai. Casamento é o pacto entre Deus e a humanidade.
Jesus veio fazer a vontade do Pai. Ele é o convidado a executar a obra.
Sua primeira coisa a fazer, segundo Marcos, é ser batizado no Jordão;  Faz a conversão para Deus. É o grande convidado. O noivo é o batizando,  o que experimenta o vinho novo. Quem cria o casamento e a festa é o Pai.

O casamento se dá na cruz. Caná significa adquirir. Na cruz é onde somos adquiridos.
João faz sair água e sangue de Jesus. João 19:34  Porém um dos soldados furou o lado de Jesus com uma lança. No mesmo instante saiu sangue e água. Pelo batismo somos de Cristo através da água.


No evangelho de João, no casamento de Caná, surge a nova humanidade, formada pelos que dão sua adesão a Jesus pela fé. (Jo 2,11 = 11  Jesus fez esse seu primeiro milagre em Caná da Galiléia. Assim ele revelou a sua natureza divina, e os seus discípulos creram nele.) Na cruz Jesus glorifica o Pai, manifesta sua gloria.



2º Sinal (Jo 4,46 ss) cura do filho do funcionário

Obs. Importantes:
O dia claro dos judeus, em contraste com a noite, era dividido em 12 horas, as quais eram contadas desde o nascer até o pôr-do-sol (#Jo 11.9). Assim em #Mt 20.1-10 a terceira hora corresponde às 9h; a sexta, ao meio-dia; a nona, às 15h; e a décima primeira, às 17h. Em #At 23.23 a terceira hora da noite corresponde a 21h.

  9,00 horas =  3a hora
 12,00 horas = 6a hora
 15,00 horas = 9a hora
 17,00 horas = 11a hora
 21,00 horas = 3a hora da noite.

Dados:

Cana => adquirir
Hora sétima => acreditou antes de ver o sinal da manifestação da gloria
Hora nona => hora da morte de Jesus e manifestação de sua gloria
Funcionário real => não judeu (Romano) acredita na dor, no sofrimento, na cruz. (é anônimo porque pode ser qualquer um de nós)
Filho => morrendo

(Jo 4,46-54) = Quando Jesus cura o filho do centurião, é a 7a hora (um pagão acredita em Jesus antes que sua morte e sua glória aconteçam!). Na sétima hora não tem ainda esta manifestação. Na 7a hora Jesus está na cruz.

Quem está perto?
Jo 19,17-18 = 17  Jesus saiu carregando ele mesmo a cruz para o lugar chamado de Calvário. (Em hebraico o nome desse lugar é "Gólgota".) 18  Ali os soldados pregaram Jesus na cruz. E crucificaram também outros dois homens, um de cada lado dele.
- Mateus 27:44  E até os ladrões que foram crucificados com Jesus também o insultavam. “desça da cruz”.

 
   Paulo; “vocês rejeitam o Cristo e eu vou aos gentios” (At 13,46).

Subir = é falar com Deus.
Descer = ir ao povo, vida comum.

Jo 4,47 = 47  Tendo ouvido dizer que Jesus viera da Judéia para a Galiléia, foi ter com ele e lhe rogou que descesse para curar seu filho, que estava à morte.
  O homem que desce, é porque subiu. Então Jesus já subiu (para o alto da cruz). Jesus deve descer? – não. Ele disse: “Vai, Teu filho vive”. O homem tendo fé não necessita que Jesus vá.
Ele creu e toda a sua casa.
Aqui o funcionário acredita não na ressurreição, mas no sofrimento. (será que não é o Cirineu?), ou o próprio discípulo amado, ou José de Arimatéia? – o que ele faz é além do que os discípulos fariam.

Se no primeiro sinal são os discípulos que aderem a Jesus, no segundo são os pagãos, representados pelo funcionário real. ( os pagãos que são adquiridos)

3ª aula

3º Sinal ( 5, 1-9) piscina de Siloé

No 1º sinal = Caná => água em vinho
No 2º sinal = Caná => cura menino
No 3º sinal = Jerusalém (casa da morte) = todos roubando e matando o povo => piscina de Siloé
40 anos => tempo de uma geração
38 anos => quase uma geração, uma vida toda.
A cura esta na nossa frente, mas se a gente não a quiser nunca chega.
Levantar => ressurreição
O paralítico não tem nome porque pode ser qualquer um de nós
Povo oprimido => inferno

O terceiro sinal é a cura do paralítico. O resultado desse sinal é duplo: o paralítico curado crê em Jesus e testemunha diante das autoridades dos judeus; estas, comprometidas com o projeto de morte, procuram matar a Jesus. (cf. 5,18).

4º Sinal (6,1-5) multiplicação dos pães

Outra margem => outra realidade
Vai de barco => tumulo = morte
Sentou-se com os discípulos => tornar igual = partilhar
200 moedas = ½ de 400  quatro é o perfeito dois é o imperfeito
Felipe => amigo do cavalo = homem de guerra
Cavalo => instrumento de guerra
André => homem (masculino)
Judas => grande coração
5 pães => humano (no humano encontramos vida)
2 peixes => símbolo do cristão
5000  => humano
Grama => Pasto = pastor
Nada se perca => salvar a todos
12 cestos = 12 Tribos de Israel
O grande sinal é o êxodo ao contrário, sair da terra da escravidão = Jerusalém => pagãos
O quarto sinal é a partilha dos pães. Jesus celebra a páscoa – festa da libertação – do outro lado do mar da Galiléia, junto com a multidão de doentes. Ele não vai a Jerusalém, pois a Páscoa que aí se celebra não representa a vida para o povo.

5º Sinal (6,16-21) andando sobre o mar

Águas agitadas => mundo em pecado
Vento soprando => sopro de Deus
Andando sobre as águas => Sabedoria
Sinal => a luz que brilha nas trevas e as trevas não conseguem apaga-la
O quinto sinal mostra Jesus caminhando sobre as águas. Os discípulos se desiludem com Jesus, o abandonam na montanha e tentam voltar à terra da escravidão. Jesus vai ao encontro deles. Eles o querem recolher no barco, mas Jesus não se deixa manipular.


6º Sinal (9,1-41) cego de nascença

Este cap. Mostra o que estava acontecendo na comunidade de João, eles estavam sendo expulsos da sinagoga.
O cego de nascença é um cristão que não entende o reino (esta no caminho).
Os discípulos estão mais cegos ainda, porque acham que o cego é pecador.
A luz que brilha é a gloria de Deus.
A saliva de Jesus representa a água (vida), e Jesus modela no barro (lama) tal como Gen.2,7 => a lama não esta dura e pode ser modelada => depois que endurece se quebra (coração duro Ez. 36,26-28)
A cegueira não é nos olhos, mas sim no coração.
O coração é o olho do ser humano
Cegueira => rejeição
Piscina de Siloé => Is. 8,6 => quem optou pela pratica de Jesus volta a enxergar
O cego é aquele que não anda com as próprias pernas, é aquele que não faz nada. 
O sexto sinal é a cura do cego de nascença. Jesus abre os olhos da humanidade. O cego curado adere progressivamente a Jesus, enfrenta o conflito com o poder que mantém o povo cego e dependente, é banido da sociedade, mas reconhece Jesus, ajoelhando-se diante dele.


4ª aula

7º Sinal (11,1-44) ressurreição de Lázaro


O sétimo sinal tem que ser compreendido à partir de 1Cor 15,26
No ultimo sinal se destrói a morte, que é o ultimo inimigo. (Ver Heb. 2,14)
Eleazar = Lazaro = Deus ajudou
Lazaro esta doente = (Jesus) Meu Deus meu Deus, por que me abandonastes? (Mt 27,46)
Intenção do evangelista = um Galileu foi a expressão máxima do amor do Pai, para que saibamos que a gloria de deus chegou (na paixão morte ressurreição)
Galileu não vale nada = periferia

Lázaro, vem para fora => túmulo de Jesus aberto, cadê lazaro (Jo 20,1-10)
Mt 27,51-54 => após a morte de Jesus os túmulos se abriram e os mortos vieram para fora
Agora => dia da ressurreição = hoje = Kairológico, a ressurreição de Lazaro prefigura a de Jesus.
Este cap. É a introdução narrativa da paixão.
1Rs 17,17-24 => a ressurreição do filho da viúva
2Rs 4,29-37 => a ressurreição do menino
Lc 7,11-17 => ressurreição do filho da viúva
Mc 5,22-24. 34-43
Jo 11,4.40 = glorificação
Jo 11,15.42 => os discípulos não estavam com Jesus na cruz
Salmo 30 = o que é a ressurreição de Lazaro?

Os sete sinais acontecem entre a quinta e o domingo
O sétimo sinal é a ressurreição de Lázaro. É o ponto alto dos sinais de vida realizados por Jesus. A morte de Lázaro parece irreversível, mas Jesus o ressuscita. O resultado desse sinal é duplo: muitos judeus acreditam em Jesus (11,45 =  Muitas pessoas que tinham ido visitar Maria viram o que Jesus tinha feito e creram nele.), mas as autoridades religiosas decretam a morte dele (11,47-57).  


Cartas de João


O que une as cartas de João são os temas.
João – 1 Jo – 2 Jo – 3 Jo (e para algumas pessoas também o Apocalipse) à A linguagem é bem parecida. Estes textos são, no mínimo, da mesma comunidade ou escola.

A 1 Jo é um tratado, um testamento de fé = é edificante.
Quem é o ancião? – João?
Sobre o autor:

O Ancião, o Presbítero, cujo nome não sabemos. Muitos dizem ser João, o Apóstolo.
Este ancião está escrevendo para alguém. Escreve para; “Senhora eleita e a seus filhos”
Em termos modernos seria “O padre à Igreja e seus membros efetivos”.
Senhora eleita, porque é a esposa do cordeiro; então senhora.

Se a primeira é um tratado, a segunda e terceira muda tudo. Existem problemas e então o Ancião quer consertar alguma coisa.

Quem escreve tem um título na comunidade; é um Epíscopo.  Talvez fosse um dos diáconos que se tornaram coordenadores de comunidades.

2 Tm 2 =  Tome os ensinamentos que você me ouviu dar na presença de muitas testemunhas e entreguem-nos aos cuidados de homens de confiança, que sejam capazes de ensinar outros. = que sejam fiéis = epíscopos.

Ver 2 João.
Ele fala a outra Senhora eleita e que a alguns dos filhos lhes disseram que ela era boa. Então existem outras comunidades que não são tidas como boas. Eles estão combatendo outros modos de pensar; os gnósticos ...

Alguns diziam que Jesus era só 100% Deus; a morte na cruz só foi uma visão, um modo de ver, pois Deus não podia morrer nem sofrer.
Outros diziam que Jesus era só homem e só depois que morreu é que foi acolhido no seio de Deus, se tornou Deus.
Venceu a turma do “e”. – Então Jesus é 100% Deus e 100% homem. Na divindade de Jesus está a plenitude de Deus e a plenitude da humanidade.

O que nos sobrou, o que sabemos é o que ficou do grupo vencedor. Nada sabemos dos outros grupos. A história é a dos vencedores. Se Ritler vencesse a guerra, a história seria outra. Se os holandeses, os franceses vencessem os Portugueses, a nossa história seria outra.
Quem está com a verdade? Se os gnósticos, Diógenes e outros vencessem a verdade seria outra.

João está falando para as suas comunidades. Ele as alerta, em suas cartas, que se alguém está falando diferente do que foi pregado (os gnósticos estão com outras afirmações) não os aceite como verdadeiras.

A primeira carta é como um tratado teológico, testamento daquela comunidade. Só para lembrar, a comunidade joanina não sobreviveu.

Um probleminha! Como podemos chamar a 1 João de carta, se não tem datação, saudação, enquanto sabemos na segunda e terceira, que é dele (Do presbítero para a querida Senhora e os seus filhos, a quem amo de verdade)  outra tradução (O ancião à senhora eleita e a seus filhos,)   e sabemos quem escreve.
Abra no 1 João. (Estamos escrevendo a vocês a respeito da Palavra da vida, que existiu desde a criação do mundo.)   quem escreve?

Muitos dizem que a 1 João é uma homilia, uma exortação. Não sabemos a qual das comunidades está falando. Pelo teor sabemos que a coisa não estava boa. Os fiéis não se sentem confiantes, mas inseguros. Esta exortação escrita, chamada 1 João, é uma tentativa de dar segurança nas comunidades. Será que eles têm comunhão com Cristo, com Deus? A estas inseguranças, João vai dar suas respostas.
A Primeira resposta é: o verdadeiro conhecimento de Cristo, a comunhão com Cristo e com Deus é na fé e no amor. Fé é acreditar naquilo que não podemos provar nem mostrar. Se provar não é fé. Eu amo porque tenho certeza na fé, que não posso provar, mas eu creio. Qual é esta certeza? A certeza de que Deus me amou primeiro. Paulo irá dizer: “quando ainda éramos pecadores, Deus já nos amava”.

A comunidade joanina foi se desenvolvendo de tal forma nesse amor, nessa fé, nessa luz e nessa verdade que ela própria gerou um grupo de pessoas que não mais podiam conviver com as realidades do mundo que não caminhava.


 As pessoas quando vivem uma ideologia, logo não conseguem viver no meio dos outros humanos e terminam por fazer comunidades fechadas. = Qunram
Nós devemos diferenciar 3 tipos de Fariseus. Fariseus vêm de Peruchim (hassidins) que significa = os separados.

1-      Fariseus – sabem e ensinam o povo, pois acreditavam que o povo podia aprender e viver os ensinamentos.

2 -   Zelotas – não acreditam que o povo possa aprender e por isso pegam em armas para forçar a mão de Deus para que agisse rápido.

3-    Essênios – não acreditavam que o povo pudesse aprender e nem que com as armas se resolveria a situação. formavam comunidades separadas dos eleitos.

Vamos ver o que 1 João nos diz.
6         Portanto, se dizemos que estamos unidos com Deus e ao mesmo tempo vivemos na escuridão, então estamos mentindo com palavras e ações. =  Se dizemos que estamos com Deus que é Luz; Na visão da comunidade de João eles estão andando nas trevas.
 8   Se dizemos que não temos pecados, estamos nos enganando, e não há verdade em nós. Eles estão dizendo que não têm pecados.
                      10  Se dizemos que não temos cometido pecados, fazemos de Deus um mentiroso, e a sua mensagem não está em nós. = Dizem que não tem pecado. Se dizemos que Cristo veio nos livrar dos pecados, se não temos pecado nenhum, Para que ele veio? - então não tem sentido a vida e morte de Jesus Cristo.

O que dizem os separatistas? Vejamos na segunda carta de João.

2, 4  Eu fiquei muito feliz quando soube que alguns dos seus filhos vivem de acordo com a verdade, como o Pai nos mandou viver.
2,4  Muito me alegro por achar que alguns de teus filhos andam na verdade, assim como temos recebido o mandamento do Pai. = O que os separatistas estavam fazendo? Diziam que conheciam a Deus, mas muitos não guardavam os seus mandamentos. 
2,6  Esse amor quer dizer isto: viver uma vida de obediência aos mandamentos de Deus. Como vocês ouviram desde o começo, o mandamento é este: continuem a amar uns aos outros.
2,6  E a caridade é esta: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes: que andeis nele. = O que é que o grupo de João está dizendo dos separatistas? -Dizem uma coisa e fazem outra.

Lembrando, não que temos alguma coisa contra a comunidade de João, mas estamos ouvindo isto do grupo que venceu. Porque se fosse o outro grupo que vencesse, a verdade seria outra.
-“Se a comunidade de João é a vencedora, por que ela desapareceu?”
- Quem vence uma batalha, venceu a guerra?
 Paulo versus comunidade Joanina. Aí venceu Paulo. Na briga entre os sinóticos e a comunidade Joanina, deu 9 X 0.

Nós não sabemos quem escreveu o Evangelho e as cartas, mas sabemos que são pessoas ou mesma escola Joanina, que faziam parte do mesmo convívio cultural, político, econômico... Por isso, encontramos termos que são próprios. O termo mundo tem um significado todo especial.

O mundo, em João, é tudo aquilo que não presta. Toda vez que fala de mundo, não conseguimos encontrar algo de positivo. (João 17, 9  -Eu peço em favor deles. Não peço em favor do mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus.). – então, o mundo não tem salvação. Se você faz parte do mundo, não tem nem jeito de Deus te salvar.
5ª aula

Apocalipse de João


“O termo “apocalipse” é originário de uma palavra grega que significa: tirar o véu; um apocalipse é uma revelação; por este aspecto a apocalíptica está vinculada à tradição profética, como um desenvolvimento particular, porque a tradição profética traz a revelação de Deus ao homem, através do profeta”.  (revelação é desvelar e velar de novo).
O estilo apocalíptico surge quando há uma crise.


O livro do Apocalipse é para levar a “Esperança”: isto gera coragem e gera perseverança. Isto vai nos mostrar que o futuro não é para todos, mas para os que perseverarem. Se a coisa está ruim, eu acredito e luto na esperança porque vai melhorar. Sem esperança morre-se. Tanto material como espiritual (depressão é a arma do desistente). A esperança não é de cena, mas de mudança.

O Apocalipse é o livro da Esperança e se torna o livro da Revelação. Nele tudo é simbólico. Se é simbólico é velado. Algo se mostra e torna a ser coberto.
É um livro para nos dizer que para alem do Caos há uma esperança.
Caos = feio, sem forma e vazio
Cosmos = ordem => Deus pega este caos e o transforma em cosmos, Deus cria, ordena as coisas
Para os judeus, a grande função de Deus é por ordem nas coisas.
O apocalipse vai dizer: olha, mesmo que esteja um caos na sua vida, isto é passageiro, e vai chamar o cosmos de Nova Jerusalém (Novos céus e Nova terra)
A morte que é o sinal do grande Caos passa a ser “Nova”, não sinal de tristezas, mas sim a páscoa.
Entre a terra da escravidão e a nova terra à um deserto, para nos tornar diferentes das práticas que faziam-se na terra da escravidão.  EGITO =>  DESERTO => CANAÃ (40 anos de deserto)
É no deserto que se cria a nova geração, que não esta impregnada com a mentalidade da escravidão.
DESERTO = Mansão dos mortos
Canaã = ressurreição
Vejamos Mateus 4; 1 A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Este “Espírito” só pode ser o Espírito Santo, pois só Ele pode conduzir. Deus conduz alguém para um lugar ruim? – então deserto é lugar bom. Se é bom, ser tentado pelo diabo então é bom.
(Um Rabino Paulista de nome: David weitmam, diz que o diabo é um funcionário de Deus para nos tentar). (vá de retro, Satanás; vai para traz de mim, pois sou eu que vou na frente e te conduzo).
(Jó 1,6 Satan = filho de Deus; Nm. 22,21ss => a mula de Balaão)

Quem escreveu o Apocalipse?

Jo 1,1 É um homem chamado João. V 9 => irmão (termo usado pelos cristãos) e companheiro na tribulação na realeza e na perseverança em Jesus.
Estava na ilha de pátmos por causa da Palavra de Deus e do testamento de Jesus.
V 10 => teve a visão no dia do Senhor (Domingo), portanto ele já é um Cristão. (João) = grande diante do Senhor.
O domingo é o shabat dos cristãos, o dia do descanso, o 8º dia que é o 1º dia.
Provavelmente ele estava em “casa”, uma comunidade, para ser conduzido à Deus. (Onde dois ou mais reunidos lá eu estarei)
V 11 => escreve o que “Vês” num livro => Ver tem a ver com Visão.
Ver é diferente de enxergar (ver; contemplar, observar, examinar. – enxergar: entrever, divisar, descortinar, perceber).

Por isso não digam que João escreveu o que ele enxergou, mas o que ele viu. Se eu vejo uma pessoa, o que enxergo? Outra pessoas vê a mesma pessoa e o que ele enxerga pode ser diferente o que eu enxergo! Eu enxerguei a cor do vestido, a cor dos sapatos, a cor dos cabelos... outra pessoa que a vê pode enxergar coisas completamente diferentes. Aí eu poderia dizer: Estava cego e não via. Via sim. Você viu, mas não quis enxergar. Então está claro que João está tendo uma Visão, está visualizando (visualidade: miragem, aspecto cambiante). Visualizar é ter uma visão.

Apocalipse 1,11-19 João cria uma imagem (Visão) e envia a mensagem as 7 igrejas, sete é o numero perfeito e significa dizer que João envia a mensagem para todas as igrejas em qualquer tempo.
O apocalipse foi escrito com símbolos, e tem que ser interpretado, como o próprio livro nos diz.
Ap 1,20 => o que você esta vendo tem que ser interpretado, e você vai enxergar.
O sentido secreto das sete estrelas que você viu na minha mão direita e dos sete candelabros de ouro é este: As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas). Os candelabros que João viu, por exemplo, simbolizavam igrejas: as estrelas significavam anjos. Precisamos distinguir entre o que João viu e o significado do que ele viu. Livros como Daniel, Zacarias, Ezequiel e Isaías usam linguagem figurada semelhante.
 
“Vocês querem saber o que é isso? Então eu vou interpretar”.  Aquilo que ele está vendo ele vai nos ensinar a enxergar. O que ele está vendo e nós não, então ele tem que interpretar para que possamos enxergar. Quando olhamos com os olhos do coração, nós vemos e se interpretamos, todos enxergam.


“Aparição de Cristo”: em Apocalipse 1, Jesus apareceu a João. Que cena aterradora! Ele era enorme: sete estrelas em uma mão. Seu semblante resplandecia como o sol. Sua voz troava como as cataratas de Iguaçu. Seus pés eram como o bronze refinado no fogo, incinerando tudo em sua passagem. Seus olhos flamejantes  poderiam penetrar como uma “Visão de raio X”. Cristo tinha entrado no reino da morte e emergiu vitorioso possuindo as chaves da morte e do inferno (hades).
 
Veja o capítulo 12: 1 Então apareceu no céu um grande e misterioso sinal. Era uma mulher. O seu vestido era o sol, debaixo dos seus pés estava a lua, e ela usava na cabeça uma coroa que tinha doze estrelas.

Ele está dizendo que o que vê não é algo físico. Se fosse físico, segurar sete estrelas na mão, que tamanho teria esta pessoa? Uma coroa de doze estrelas! Que cabecinha! Vejamos mais um pouquinho do cap. 12: 2  A mulher estava grávida e gritava com dores de parto. 3  E apareceu no céu outro sinal: Era um enorme dragão vermelho com sete cabeças e dez chifres e com uma coroa em cada cabeça. 4  Com a cauda ele arrastou do céu a terça parte das estrelas e as jogou sobre a terra. Depois parou diante da mulher grávida a fim de comer a criança logo que ela nascesse. - Gente, este dragão com a cauda gigantesca arrastou um terço das estrelas e jogou sobre a terra! Em primeiro lugar, se uma estrela se aproximasse da terra, pelo seu campo gravitacional, a terra seria atraída e tudo se acabaria. Já era.  E se ele jogou um terço... O sol que é nossa pequenina estrela, que está a 8000 quilômetros, e uma estrela é 300 vezes maior que o sol, e um terço delas seriam jogadas contra a terra (a dimensão da terra é de 16 000 quilômetros). Imaginem! e a mais próxima está distante de nós 30 anos luz (velocidade da luz é 300.000 quilômetros por segundo. Perceba a distância! 300.000 X 60 X 60 X 24 X 365 X 30): que tamanho teria tal dragão? Isto é simbólico! Novos céus e nova terra; é Deus pondo ordem na casa.

O Cristo glorioso é o mesmo Cristo da Paixão. Para chegar ao glorioso tem que passar pela paixão; Egito – deserto – Canaã.

(nós vemos em “santinhos” quando Jesus é batizado, a figura de Deus Pai como um velho, Jesus recebendo o batismo e em cima uma pomba. Ora, Deus pode envelhecer? E a pomba é nossa imagem e semelhança?  - Em Gênesis vemos que  humano é imagem e semelhança de Deus Trindade. – é tradução errada. Em Marcos 1,10 (No momento em que estava saindo da água, Jesus viu o céu se abrir e o Espírito de Deus descer como uma pomba sobre ele). A Bíblia da Ave Maria traduz; em forma de pomba; É mentira, é tradução errada:  é como pomba; está errado dizer que é em forma de pomba porque o Gênesis nos diz que “o Espírito pairava”; Imitando o gesto, então é como uma e não em forma de).  O Espírito santo é como a pomba que paira sobre, como no Gênesis na organização do Caos (Gn 1,2  A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas).
 
A vinda do Espírito santo: Atos 2,3  Então todos viram umas coisas parecidas com chamas, que se espalharam como línguas de fogo; e cada um foi tocado por uma dessas línguas; é como línguas de fogo, porque fogo não é imagem e semelhança. Se agente não entender isso, não vai entender porque, em apocalipse, os santos aparecem com roupa branca. Na bíblia a cor branca não é sinal de pureza, mas sinal da presença de Deus. Pureza é atribuição moderna. Branco é sinal de Divindade.  Então, simbolicamente Deus tem tudo branco; roupa, cabelo, barba, tudo, tudo. Olha que interessante: qualquer visão de Jesus no Evangelho como Divindade, como ele está vestido? - De branco. Isto é porque o autor está nos dizendo que ele agora está revestido de Divindade. Os mártires são aqueles que  alvejaram suas vestes no sangue do Cordeiro. Não é lavar em sangue, mas estar revestido da divindade do Cordeiro, que é Jesus Cristo. O sangue mancha e se lavado fica encardido. O caso aí é divindade. Jesus é aquele que foi revestido pela Divindade. Ele é plenamente homem e plenamente divino. Deus não cabe no humano, mas sim a divindade. Deus em um corpo é deus limitado. Mas divindade em um humano é grandiosidade de Deus. Jesus está pleno de Divindade.

A visão de João é do Cristo exaltado. O mesmo Cristo ressuscitado e exaltado é o mesmo Jesus morto na cruz. A gloria passa pela cruz e pela morte.
6ª aula
“As Cartas às sete igrejas da Ásia”: Jesus incumbiu João de enviar o livro de Apocalípse a sete igrejas. Nos c. 2 e 3, o Senhor deu mensagens especiais a cada uma dessas igrejas. Cada carta segue quase o mesmo modelo:  1) uma comunicação ao anjo que representava a igreja: 2) uma frase descrevendo Jesus; 3) um comentário das boas coisas feitas pela igreja (em um caso nada de bom é mencionado; cf. 3,14-22; 4 uma repreensão pelas más coisas que Jesus observava e (em duas cartas nada de mau é mencionado; cf. 2,8-11; 3,7-13; 5) encorajamento para corrigir o erro (exceto para as igrejas em que nada de mau tinha notado); 6) uma exortação a ouvir; 7) uma promessa àquelas que triunfassem (em alguns casos a ordem destas últimas duas é invertida).

Estamos abrindo os selos; conhecendo as cartas.

As sete cartas são um apelo à conversão ao projeto de Deus. Se são sete igrejas, então é para todas as igrejas em todo lugar e todo tempo. Vamos ver em qual das sete igrejas nós nos encaixamos para poder caminhar no projeto de Deus.

As sete cartas são um quiasmo; Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia.

No quiasmo teremos então:  Éfeso    Laodicéia.   B) Esmirna – Filadélfia.      C) Pérgamo – Sardes.  Centro (miolo) =  Tiatira.

Éfeso”: uma igreja doutrinariamente sólida e ativa, ainda que seu amor tivesse ficado frio. É perigoso permitir que nosso serviço a Deus se torne mecânico e ritual; o primeiro mandamento é amar a Deus com todo o coração. Quando uma igreja deixa de amar a Deus ela prejudica sua relação com ele. (2,1-7). = O povo lá de Éfeso não é um povo que está fazendo coisas ruins, mas que Abandonaram o “amor primeiro”. Perderam a resistência. É aquela pessoa que continua na igreja, mas faz só porque os outros fazem. É mecânica a sua ação; perdeu a resistência e o amor primeiro. Está indiferente. Gente, não é uma releitura do Gênesis? Agora, aos que conseguirem a vitória, ele dará o direito de comer da árvore da vida que cresce no jardim de Deus. Comer da árvore da vida é participar da vida divina. (o enfraquecimento é já não sentir a força da oração, da eucaristia).

“Laodicéia”: Se autoconfiança fosse o padrão, essa igreja seria proeminente, sua autoconfiança era imensa, mas sua falta de fervor tinha deixado o Senhor do lado de fora, batendo na porta para entrar em sua própria igreja. Arrogância e prosperidade material freqüentemente produzem cristãos complacentes. Apo.3, 14-22 = Perdeu a resistência e está indiferente ao Amor. São cristãos que aceitam as mazelas (feridas, doenças) da vida.

“Esmirna”: Esses irmãos estavam sofrendo perseguição e dificuldades econômicas, mas Deus estava orgulhoso deles. O mito que a fidelidade a Deus sempre traz prosperidade e termina o sofrimento é falso. 2,8-11 ."). = Indigente, mas não tem nada de negativo. Sofriam, mas Deus estava orgulhoso deles.  Daí que a idéia de quem está do lado de Deus termina o sofrimento e ele tem prosperidade, é falsa esta idéia. É o Evangelho que diz que só porque você está com Deus tudo vai dar certo. Isto é um mito, pois ter Deus não vai acabar com o sofrimento e só ter felicidade. Você sendo fiel a Deus, sendo o cristão, e pode ir para a desgraça sim. Basta ver a história para constatarmos isso; Jesus foi fiel e terminou na cruz, morreu na desgraça. Seus discípulos, todos, foram perseguidos e tiveram morte horrível. Quantos santos homens não morrem de câncer, desastres, tiros? Hoje temos a irmã Doroty que morreu assassinada por pistoleiros lá em Goiás. Agora, ligue a televisão e você verá da Canção Nova ao Edir Macedo; sendo fiel a Deus, terá prosperidade; mentira! É mito!

“Filadélfia” (filos; amigo. Adelfos; irmão): As duas igrejas que não foram criticadas (Esmirna e Filadélfia) eram as igrejas que sofriam maior perseguição. O Senhor reassegurou-as de que era ele quem tinha a chave e que quando ele abrisse a porta para elas, ninguém seria capaz de fecha-la. Apo. 3,7-13 = É fraterna e não tem nada de negativo. Filadélfia é fraternidade, onde um consegue viver com o outro.
“Pérgamo”: Esse grupo permanecia fiel, mesmo quando um membro foi martirizado, mas tinha um grande problema: tolerava o ensino de falsas doutrinas que encorajavam idolatria e imoralidade. O Senhor ameaçou fazer guerra contra ele. 2,12-17 "). = Resistente contra o sistema. Eles permanecem firmes, mas não é o que fazem. Não aplicam o conhecimento. O grande problema, também hoje, é não aplicar o que conhece.

“Sardes”:  Essa igreja tinha grande reputação, mas a realidade desmentia o nome. Não podemos descansar sobre nosso passado. As igrejas vivem por causa de seu atual serviço a Deus. 3,1-6 =  Engolida pelo sistema. Já foi muito boa e ainda está utilizando da sua fama e no momento nada faz. (não é a imagem do PT? Ele surgiu como uma frente que queria mudanças, mas quando toma o poder...).
(É por isso que muitos dizem: nunca lute contra uma idéia, mas seja a favor de outra idéia; não diga; sou contra o aborto, mas sou a favor da vida. Sendo contra alguma coisa, no final acabamos incorporando alguma idéia dela. Uma coisa é ser contra os ricos e outra coisa é ser a favor dos pobres. Eu não digo que sou contra o racismo, mas que sou a favor da igualdade entre as raças).

“TIATIRA”: Essa congregação estava procedendo bem de todos os modos (2,19), mas foi criticada pelo Senhor porque  aceitava uma mulher “que a si mesma se declara profetisa” que promovia pecado sexual. As igrejas têm que rejeitar os membros que encorajam o pecado (Tt 3,10-11). Apo. 2,18-29 = Estão boas, mas Aceitam uma sementinha do mal.

Ver o que é profecia – (PROFETA, PROFETISA -  Pessoa que profetiza, isto é, que anuncia a mensagem de Deus No AT, os profetas não eram intérpretes, mas sim porta-vozes da mensagem divina (Jr 27.4). No NT, o profeta falava baseado na revelação do AT e no testemunho dos apóstolos,  edificando e fortalecendo assim a comunidade cristã (At 13.1; 1Co 12.28-29; 14.3; Ef 4.11). A mensagem anunciada pelo profeta hoje deve estar sempre de acordo com a revelação contida na Bíblia. João Batista (Mt 14.5; Lc 1.76)  e Jesus (Mt 21.11,46; Lc 7.16; 24.19; Jo 9.17)  também foram chamados de profetas).
PROFECIA = A mensagem de Deus anunciada por meio de um PROFETA  a respeito da vida religiosa e moral do seu povo (2 Pe 1.20-21). (As profecias tratam, às vezes, do futuro, mas geralmente se prendem às necessidades presentes das pessoas).

A grande mensagem do Apocalipse:
-          Deus está conosco; EMANUEL.
-          No final o bem vence (não é vencerá, não é o só no fim dos tempos).
-          Há sempre uma saída, mesmo que esta seja a entrada.

Somos importantes:
1 Tessalonicenses 5,23  Que Deus, que nos dá a paz, faça com que vocês sejam completamente dedicados a ele. E que ele conserve o espírito, a alma e o corpo de vocês livres de toda mancha, para o Dia em que vier o nosso Senhor Jesus Cristo.

1 Cor 15,42ss - 42  Pois será assim quando os mortos ressuscitarem. Quando o corpo é sepultado, é um corpo mortal; mas, quando ressuscitar, será imortal.
43  Quando ele é sepultado, é feio e fraco; mas, quando ressuscitar, será bonito e forte.
44  Quando é sepultado, é um corpo material; mas, quando ressuscitar, será um corpo espiritual. É claro que, se existe um corpo material, então tem de haver também um corpo espiritual.
45  Porque as Escrituras Sagradas dizem: "Adão, o primeiro homem, foi criado como ser vivo." Mas o último Adão, Jesus Cristo, é o Espírito que dá vida.
46  Não é o espiritual que vem primeiro, mas sim o material; depois é que vem o espiritual.
47  O primeiro homem foi feito do pó da terra; o segundo veio do céu.
48  Os que pertencem à terra são como aquele que foi feito do pó da terra; os que pertencem ao céu são como aquele que veio do céu.
49  Assim como somos parecidos com o homem feito do pó da terra, assim também seremos parecidos com o Homem do céu.
50  Meus irmãos e minhas irmãs, o que eu quero dizer é isto: O que é feito de carne e de sangue não pode ter parte no Reino de Deus, e o que é mortal não pode ter a imortalidade.
Homem = alma + espírito + corpo = Ser inteiro.
                 ALMA = Mente   
                 ESPIRITO = sopro divino   
                 CORPO = o que dá suste
                 TUDO ISSO = Vida
Mesmo que alguém não queira Deus, ele está conosco. Por isso não podemos dizer que não “somos nada”. Quem assim diz, não sabe o valor que tem. Somos filhos de Deus e Deus nos ama.

Nas sete cartas às comunidades vimos que a primeira coisa a fazer é: voltar ao amor primeiro. Para Tiatira ele diz que é uma comunidade boa, no passado faziam coisas boas e continuam fazendo, mas estão deixando que uma erva daninha lastra no meio de vocês. A questão da carne oferecida aos ídolos sempre foi um problema para os cristãos. Paulo vai dizer: se ninguém se escandalizar, “coma”. Se for escandalizar alguém, não coma.

As revelações em apocalipse tem em si mesmas valor de ADVERTÊNCIA. Elas mantêm a esperança daqueles que são perseguidos por causa da justiça, que tem fome e sede de justiça; reanima e consola aqueles que estão abatidos; e conclamam à conversão aqueles que não pertencem a comunidade dos fiéis. Na visão apocalíptica, a revelação do triunfo final de Deus implica em uma senha de perseverança e o convite para se manter alerta.

7ª aula

Alguns afirmam que os escritos do apocalípse começaram nos anos 70 e foram completados depois do ano cem pelos discípulos (comunidade) de João. Outros grupos de teólogos afirmam que começou a ser escrito no governo de Cláudio, outros que foram escritos no governo de Trajano, etc.

O que temos? Uma data improvável. O que a gente sabe? – o apocalipse foi escrito posteriormente aos livros canônicos. Uma pergunta besta: importa quem é o autor? O que importa é que está falando de uma besta.

  Temos duas bestas diferentes; cap. 13,1-18, uma que vem da terra e outra que vem do mar.

Besta da terra (é o poder religioso – quem é que tem poder para fazer adorar, fazer maravilhas, seduz com imagens?); 2 chifres, fala como dragão, faz adorar, opera maravilhas, seduz com imagem e infunde espírito à imagem. Não é da Igreja romana que fala, pois esta só se torna poder no ano 313 com Constantino. Qual poder religioso então ele critica? – o grupo que sobrou dos judeus (os fariseus), pois eles no poder religioso expulsavam os cristãos das sinagogas. Os cristãos eram judeus nos sábados (sinagogas) e cristãos nos domingos (partiam o pão nas casas). Nesse primeiro século o cristianismo é uma seita judaica. Esta besta É também qualquer igreja hoje que tem esses poderes.

Besta do mar (é o poder político); 10 chifres e 7 cabeças. Diademas, nomes blasfemos; é o IMPÉRIO ROMANO onde os imperadores eram adorados como deuses. Muitos cristãos morreram por negar esse ato. Por isso ele fala simbolicamente e ainda diz; “quem puder entender, que entenda”.

(10 = totalidade de plenitude. Gênesis 18,24-32. 10 é a quantidade necessária (de homens) para se formar uma comunidade).

Porque o Apocalípse não é literal.

a)      Porque é um anjo que interpreta.
Ap 1,20  O sentido secreto das sete estrelas que você viu na minha mão direita e dos sete candelabros de ouro é este: As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas. = SÃOà alguém está interpretando.
7,13 s => me explicou
17,9-18 => São
João também interpreta:
4,5 Do trono saíam relâmpagos, estrondos e trovões. Diante dele havia sete tochas acesas, que são os sete espíritos de Deus.
5,6.8 => que são
12,9 => é
19,8 => representa
20,2 => é

b)     Descrições e lógicas quase absurdas;
1,13-16 => (se Jesus é assim, não é o que eu espero que seja, pois é muito ameaçador e não o homem bondoso que viveu e morreu por nós). – sete estrelas na mão? Isto é uma prova de que não estamos falando de algo LITERAL, mas que necessita ser compreendido. O termo Filho de Homem é trabalhado por Ezequiel e Daniel, para não dizer a palavra Deus.
5,6 . => já imaginou um cordeiro com sete chifres, sete olhos? – cuidado com as contradições!
7,1 => terra com quatro cantos? Onde? – não é literal.
8,3-5 = >ele descreve o céu como se fosse um templo.
8,13 => ouvi uma águia dizer! Águia fala? E em grego? – não é literal, mas tem que ser explicado e entendido.
9,1ss => uma estrela cair sobre a terra? A estrela é milhões de vezes maior que a terra!

c)      Uso do comparativo “como”, “semelhante”
1,10 =>  No dia do Senhor fui dominado pelo Espírito de Deus e ouvi atrás de mim uma voz forte como o som de uma trombeta,
1,14 =>  Os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve, e os seus olhos eram brilhantes como o fogo.

d)     coisas que não são deste mundo

1,8; 21,6; 22,13 => alfa e Omega  - 1,18 - 2,13 - 3,12 - 4,1ss - 8,3 - 7,14 - 9,6 - 12,16 - 14,10 - 16,2; 19,15 - 16,7 - 16,20.

Símbolos mais freqüentes e importantes:
Cores:
Branco => dignidade, santidade, sabedoria (cabelos brancos) vitória e recompensa (no caso das vestes brancas)
Preto: desgraça, fatalidade, morte
Púrpura ou escarlate: pompa, luxuria
Vermelho: violência, sangue

Números:
3 = totalidade (aparece 23 vezes, especialmente tríades, ex. santo santo santo)
4 = universalidade, geralmente relacionado com o mundo (aparece 29 vezes)
7 = totalidade, plenitude (54 vezes)
12 = perfeição (símbolo de Israel e da Igreja)
10 e seus múltiplos = muitos, multidão (144 mil)

Outros:
Asas = mobilidade, capacidade de estar em todos os lugares
Ancião = sábio, como grupo formam o conselho supremo (24 anciãos)
Alfa e Omega = principio e fim = eterno
Anjo = mensageiro, representante (de Deus)
Cordeiro imolado = Jesus, mártir (executado), mas vivo
Coroa = reino, sabedoria
Chifre = poder
Estrelas = seres
Mulher = símbolos de um povo ou de uma cidade
Nome = pessoa (nova)
Olhos = visão, cheio de olhos = vê tudo (7 olhos é a totalidade da visão)
Selo/selado = ser propriedade de alguém
Vestes = símbolo de uma qualidade ou comportamento da pessoa (lavar as vestes = assumir a mesma atitude)
Virgem = fiel e dedicado a alguém; oposto a prostituta

O que é literal no apocalipse?

Cap. 1,3.9
Cap. 2,3 (comunidades)
2,13 (Antipas assassinado)
2,6.15 (Nicolaítas)

8ª aula

7 chaves para ler o Apocalipse:
1ª Livro da resistência:
Aqueles que resistirem serão vencedores. Ap. 22,12-14
2ª Livro da denuncia: denuncia do sofrimento – profecia. Ap. 1,9; 2-3
3ª Livro de celebração: 1,3 => felizes, leitor e ouvinte; 5,6 => cordeiro em pé; 21,1 => novos céus e terra.
4,8b; 4,11; 5,9b-10; 5,12b; 5,13b etc.
4ª Livro de testemunho
1,2; 6,10-11 => testemunho = martírio (martírio em grego = martyria = testemunho)
5ª Livro da felicidade:
Bem aventuranças =  1,3; 14,13; 16,15;  [ 19,9] a mais importante, fica no meio, 20,6; 22,7; 22,14
6ª Livro urgente: => 1,3; 10,6; 16,17
7ª Livro da esperança:
Visão do trono, cap. 4 => Deus, Senhor da historia
O cordeiro vencedor, cap. 5
A nova Jerusalém, cap. 21-22
Bibliografia
A COMUNIDADE DO DISCIPULO AMADO, R.E. Brown, São Paulo: paulus, 1999.
O APOCALÍPSE – A FORÇA DA ESPERANÇA.Estudo, leitura e comentário.Eduardo Arens/ Manuel Diaz Mateos Edição Loyola, 2004.
APOCALIPSE – CLAMORES DA REVELAÇÃO, Jean Yves Leloup, Vozes 2003.
CHAVE PARA O EVANGELHO DE JOÃO, Niceta M. Vargas, Santuário 1996.
EVANGELHO DE JESUS CRISTO SEGUNDO JOÃO.
SEBASTIANI, Lilia. Maria Madalena, de personagem do Evangelho a mito de pecadora redimida, Ed. Vozes, Petrópolis, 1995.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário